A segunda-feira foi de mais protestos contra a atual fase do São Paulo. A Torcida Independente, maior organizada do clube, pendurou faixas na porta do Morumbi contra o técnico Fernando Diniz e a diretoria, representados por Leco, Alexandre Pássaro e Raí. Na próxima quinta, às 18h, representantes de todas as torcidas devem organizar um protesto antes da partida contra o Bahia, que começa às 20h.

O inconformismo começou após a eliminação nas quartas de final do Paulistão para o Mirassol, que havia perdido 18 jogadores durante o período de pandemia. Logo após a derrota por 3 a 2, alguns torcedores esperaram os jogadores na saída do estádio.

No dia 3, o CT da base do São Paulo, em Cotia, onde o time está concentrado durante a pandemia, foi alvo de um ato de vandalismo. Homens encapuzados jogaram uma bomba do lado de fora do portão principal. A explosão quebrou alguns vidros, mas não causou ferimentos. No momento do atentado, os jogadores e a comissão técnica realizavam um treinamento.

* Com Estadão Conteúdo