O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira que destinou 40 milhões de equipamentos de proteção individual (EPIs) para Estados e Municípios. Além disso, a pasta anunciou a compra de mais 200 milhões de itens. As primeiras peças são suficientes para abastecer os estoques locais por cerca de 20 dias, já a segunda remessa pode sustentar o sistema de saúde por dois meses. Os insumos são fundamentais para que os profissionais que atuam na linha de frente do combate à Covid-19.

Mesmo afirmando que está apoiando a requisição e a distribuição dos equipamentos, o Ministério lembra que enfrenta problemas de escassez e dificuldades na produção e entrega dos insumos, já que essa é uma demanda mundial. Uma das alternativas é adquirir mais equipamentos fora do país, o que nem sempre garante a compra, como revelou o ministro Mandetta em entrevista concedida nesta semana.

Na nota, a pasta diz que tem buscado alternativas para conseguir mais fornecedores e fracionar aquisições, e reiterou que “os valores estão acima daqueles normalmente praticados”. “Todas as possibilidades de compra e os processos acontecem com ampla divulgação”, lembra. Nos processos de compra, “vence quem apresentar o menor preço, conforme a legislação”, completa o texto.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 6.836 pessoas testaram positivo para o coronavírus no Brasil. Até o momento, a doença fez 241 vítimas no país.