A Guarda Civil Metropolitana de São Paulo tem pelo menos 130 agentes afastados dos serviços por suspeita do novo coronavírus. Cerca de 30 deles trabalham diretamente nas ruas.

Na semana passada, o sindicato dos GCMS acionou a justiça pedindo mais proteção aos agentes. Na liminar, a entidade relatava falta de materiais como luvas e máscaras para os policiai

Na ocasião, o secretário municipal de segurança Urbana, José Roberto Rodrigues, a quem a Guarda está subordinada, usou dinheiro do próprio bolso para comprar parte dos kits de higiene para as viaturas.

Nesta quarta-feira, o secretário negou que o atraso na aquisição dos itens de proteção pessoal tenha sido um dos fatores para a infecção dos agentes.

Em nota, a prefeitura de São Paulo afirmou que têm tomado todas as providências para proteger os agentes.

*Com informações do repórter Leonardo Martins