Em meio à retomada das atividades econômicas, os Estados Unidos criaram 1,371 milhão de empregos em agosto, segundo dados com ajustes sazonais publicados nesta sexta-feira, 4, pelo Departamento do Trabalho. Com isso,  a taxa de desemprego caiu de 10,2% em julho para 8,4% em agosto. A previsão era de queda bem menor da taxa, a 9,8%. Os números de criação de postos de trabalho de julho e junho foram revisados, para 1,734 milhão e 4,781 milhões, respectivamente. “Estas melhoras no mercado de trabalho refletem a contínua retomada da atividade econômica que havia sido restringida devido à pandemia de Covid-19”, explico o boletim do Escritório de Estatísticas do Trabalho. O índice de desemprego no país, que estava em 3,5% em fevereiro, o nível mais baixo em 50 anos, saltou para 14,4% em abri e tem diminuído gradualmente desde então.

O salário médio por hora dos trabalhadores aumentou 0,37% em agosto ante julho, ou US$ 0,11, para US$ 29,47 por hora. Na comparação anual, houve acréscimo de 4,65%. Analistas esperavam que os salários ficassem estáveis na margem e subissem 4,4% no confronto anual. Já a fatia da população dos EUA que participa da força de trabalho avançou de 61,4% em julho para 61,7% em agosto. De acordo com os dados, o crescimento do emprego governamental reflete a contratação temporária de pessoas para o censo de 2020. “Houve aumentos notáveis de emprego no varejo, nos serviços profissionais e empresariais, entretenimento e hotelaria, na educação e nos cuidados da saúde”, explica o relatório.

*Com Estadão Conteúdo e Agência EFE