O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que, em nome dos outros governadores, ficou “feliz” ao acompanhar o pronunciamento feito por Jair Bolsonaro na noite da última terça-feira (31). Durante a fala sobre o enfrentamento à crise causada pelo novo coronavírus, o presidente amenizou as críticas às políticas de isolamento e fez acenos ao Judiciário e ao Legislativo.

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (1), Doria afirmou ver “um presidente mais moderado e com bom senso”, mas, apesar disso, criticou postagem feita por Bolsonaro no Twitter nesta quarta-feira em que o mandatário criticou alguns prefeitos e governadores. Ainda assim, disse que iria “desconsiderar a segunda manifestação feita pelo presidente”.

“Em nome de outros governadores, como cidadão brasileiro, fiquei feliz em ver um presidente mais moderado. Mas amanheci preocupado vendo uma segunda publicação. Em qual presidente devemos confiar? É preciso coerência, presidente. Seja equilibrado, moderado, faça aquilo que o senhor fez ontem à noite em rede nacional, mas não caia na tentação de seguir a orientação daqueles que do seu gabinete do ódio propõem o confronto e o combate”, afirmou Doria. “Prefiro levar em conta a sua manifestação de ontem e desconsiderar a sua manifestação de hoje pela manhã”, concluiu.

Mais cedo, Bolsonaro compartilhou um vídeo em que um suposto feirante não identificado do Ceasa de Belo Horizonte mostrava o mercado vazio, chamava os governadores de “corja de canalhas” e dizia que Bolsonaro agiu com “responsabilidade” ao tentar determinar a volta às atividades de trabalho.

Menos de duas horas depois, porém, o presidente apagou o vídeo de suas contas após reportagens mostrarem que, na verdade, o Ceasa não estava vazio durante a pandemia da Covid-19.

Recursos

Doria também parabenizou o presidente Jair Bolsonaro pela sanção da Medida Provisória que destinará R$ 600 de auxílio mensal aos trabalhadores informais. Doria disse que o decreto levará “ajuda para as pessoas que mais precisam” e ressaltou que espera que os recursos sejam rapidamente transferidos para a população.

*Com informações do Estadão Conteúdo